História da JKA

Uma breve história da JKA



Inicialmente, a arte marcial Te (“mão”) desenvolveu-se em Okinawa como um sistema de auto-defesa. Devido ao contato e intercâmbio freqüente de Okinawa com a China, é certo que a arte marcial de Okinawa foi influenciada pelo kempo chinês em algum momento durante o seu desenvolvimento. 

Acredita-se que aproximadamente há 500 anos, quando a dinastia do Rei Shoha unificou a região após décadas de guerra, emitiu-se um decreto que proibia a posse de armas na ilha. 

De acordo com registros convencionais, uma lei semelhante para a licitação da posse ou uso de armas foi re-emitido e executada pelo Clã Satsuma, que haviam invadido Okinawa, no início de 1600 e trouxe-a sob a regra do Shogunato japonês. 

Acredita-se que neste ambiente, o Karatê desenvolveu-se como uma forma de combate sem armas para autodefesa individual e coletiva (país), era ensinada e praticada em segredo. 

Depois, veio o nascimento em Okinawa (1868) do mestre Gichin Funakoshi. Ele dedicou toda sua vida à promoção dos valores da arte, e introduziu o caminho do To-Te-Jitsu no Japão, onde se espalhou por todo o país. 

Aproximadamente em 1949, seus seguidores estabeleceram uma associação para a promoção do Karatê; eles a chamaram de Nihon Karate Kyokai, ou a The Japan Karate Association. Era o início da JKA